Um grupo armado atacou uma aldeia no norte de Moçambique, obrigando a uma paragem preventiva da ação humanitária nas imediações, de acordo com diferentes fontes na província de Cabo Delgado, atingida por um ciclone há 10 dias.

Um residente, membro de uma organização não-governamental (ONG) moçambicana, relatou que o ataque aconteceu hoje de manhã nas comunidades de Nacata, Ntapuala e Banga Velha, referindo que um professor que circulava de mota foi morto e três pessoas foram queimadas.

Fonte ligada às operações humanitárias disse à Lusa que o ataque aconteceu na sexta-feira, durante a noite, sem confirmar a existência de vítimas e acrescentando que foi visada uma aldeia isolada no mato e respetivos aldeões - como já acontece há um ano e meio na região - sem afetar qualquer missão humanitária das que estão no terreno.

Segundo disse, o caso levou a uma paragem preventiva das operações de ajuda à população pós-ciclone Kenneth naquela zona do distrito de Macomia, mas estas devem ser retomadas "em breve" depois de realizada uma avaliação por uma equipa de segurança que se deslocou ao local.

As operações humanitárias no resto da província de Cabo Delgado continuam a decorrer, nomeadamente ao longo da costa e também nas ilhas Quirimbas.

Saviano Abreu, porta-voz do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitário (OCHA) em Moçambique, confirmou à Lusa o que diz serem "relatos de insegurança na área sul de Macomia".

Estamos a fazer tudo o que podemos para garantir que podemos continuar a prestar assistência humanitária às pessoas afetadas pelo ciclone tropical Kenneth", referiu, em Pemba.

Desde outubro de 2017, os ataques de grupos armados não identificados com origem em mesquitas já provocaram, pelo menos, 150 mortos em Cabo Delgado.

Atualmente, centenas de pessoas fazem parte das equipas de ajuda humanitária que estão no terreno na província.

O ciclone Kenneth foi o primeiro a atingir o Norte de Moçambique e foi classificado com um grau de destruição de categoria quatro (numa escala de um a cinco, do mais fraco ao mais forte).

A tempestade matou 41 pessoas e afetou cerca de 241.000 pessoas, segundo o mais recente levantamento provisório das autoridades,

Moçambique foi pela primeira vez atingido por dois ciclones na mesma época chuvosa (de novembro a abril), depois de em março o ciclone Idai, de categoria três, ter atingido o centro de Moçambique onde provocou 603 mortos.