Moradores de várias urbanizações da cidade de Stamata, a nordeste de Atenas, Grécia, tiveram de abandonar esta terça-feira as suas casas por precaução, depois de um incêndio numa área florestal ter atingido casas (pelo menos 12) e danificado viaturas.

O incêndio começou ao final da manhã entre as cidades de Stamata e Rodópolis, a cerca de vinte quilómetros da capital grega, e alastrou rapidamente por causa dos fortes ventos que sopravam na região. "A frente de incêndio é longa e ainda não está controlada", afirmou o presidente da Câmara de Dionysos, Iannis Karafatelis, uma das localidades atingidas pelo incêndio.

Durante o início da tarde, mais de 300 bombeiros estiveram na área, anunciou em conferência de imprensa o vice-ministro da Proteção Civil, Nikos Jardaliás, que acrescentou que a situação melhorou consideravelmente, mas que os trabalhos de contenção das chamas continuam.

O facto de haver muitas casas complica o nosso trabalho. Estamos a tentar salvar vidas humanas, antes de tudo o mais", disse o chefe de uma das corporações de bombeiros envolvidas no combate ao incêndio, Stefanos Kolokuris.

A Proteção Civil alertou os moradores de várias cidades da região através de mensagens curtas de texto, nas quais era pedido para fecharem janelas, portas e entradas de chaminés, para evitar que o calor entre nas casas. O trânsito está também interrompido em várias estradas, por forma a evitar filas que possam provocar situações perigosas para os condutores.

A região da Ática é uma das mais propensas a incêndios na Grécia, na maioria dos casos devido a negligência ou incêndio criminoso.

Nos arredores de Atenas, a paisagem montanhosa é pontilhada por conjuntos habitacionais, muitos deles construídos ilegalmente há décadas, que servem de residência de fim de semana ou de verão para os moradores da capital.

Em 2018 a zona de Atenas foi atingida por fogos de grandes proporções que provocaram a morte a mais de 100 pessoas, com os fogos a danificarem ainda cerca de mil habitações.

/ Publicado por António Guimarães