O Presidente norte-americano, Donald Trump, e o Mayor de Londres, Sadiq Khan, trocaram várias acusações a propósito da reação atentado de ontem à noite, na capital britânica.

Primeiro, o Mayor publicou um vídeo no Twitter dizendo que todos - ele incluído - estão "chocados e chateados", mas que Londres é a cidade de todos e que ninguém deve "nunca deixar ganhar estes cobardes" e nunca "deixar-se intimidar pelo terrorismo".

AO MINUTO: tudo sobre os ataques de Londres

We are all shocked and angry today - but this is our city. We will never let these cowards win and we will never be cowed by terrorism. pic.twitter.com/kcosumkdCR

— Sadiq Khan (@SadiqKhan) 4 de junho de 2017

A reação de Trump, como sempre no Twitter não tardou em chegar. Criticou o presidente da Câmara de Londres ironizando que para ele parece que não há problema nenhum e que não leva a sério a ameaça.

Pelo menos sete mortos e 48 feridos em ataque terrorista e o ‘mayor’ de Londres diz que ‘não há razão para alarme’”.

Numa mensagem anterior, o presidente norte-americano tinha defendido: “Devemos deixar de ser politicamente corretos e começar a agir pela segurança do nosso povo. Se não formos inteligentes, só ficará pior”.

Entretanto, o Mayor de Londres limitou-se a dizer que “coisas mais importantes para fazer” do que responder a Donald Trump.

O presidente da Câmara “tem coisas mais importantes a fazer que responder ao tweet desinformado de Donald Trump, que retira deliberadamente do contexto as suas declarações exortando os londrinos a não se assustarem” com o reforço das forças policiais nas ruas da capital. Estas palavras foram proferidas pelo porta-voz de Sadiq Khan, num comunicado.

Embaixada dos EUA em Londres com outro tom

Entretanto, no Twitter, a embaixada dos EUA em Londres não acompanha o tom de crítica utilizado por Trump. Aliás, até enaltece "a forte liderança" do Mayor de Londres.

Também Hillary Clinton, que foi derrotada por Trump nas eleições presidenciais e que tem um vasto currículo de política externa, lamentou hoje os "atos cruéis e cobardes inexplicáveis" de sábado à noite e quis assegurar a "amizade" dos EUA para com os britânicos, fazendo retweet precisamente de um tweet do Mayor de Londres.

 

Ontem, ainda antes de estar confirmado o ataque terrorista na ponte London Bridge e num mercado londrino, Donald Trump já oferecia ajuda à capital britânica, aproveitando ao mesmo tempo para defender a proibição de entrada de muçulmanos de vários países nos EUA.

A associação feita pelo presidente norte-americano surgiu sem se saber quem são, de onde são e que religião praticam ou não os suspeitos do ataque.