O bombista suicida responsável pelo atentado em Manchester esteve na Alemanha quatro dias antes de se fazer explodir às portas da Arena daquela cidade britânica, depois do concerto de Ariana Grande, na segunda-feira. A notícia é avançada pela Sky News, citando os serviços de inteligência alemães, e está a ser difundida pelas agências internacionais, como a Reuters.

Salman Abedi é o nome do autor do ataque que provocou a morte a 22 pessoas e deixou feridas mais de 50.

O correspondente da Sky News na Alemanha, Martin Brunt, indicou que não há nenhuma pista sobre quanto tempo esteve no país, mas destacou que é a uma hora e meia de voo direto de Manchester.

[Os serviços de inteligência acreditam] que ele partiu de Manchester e voou de volta de Dusseldorf para Manchester. Parece que não estava na lista internacional de vigilância do terror, por isso teve livre trânsito para ir e vir, aparentemente em toda a Europa".

Esta notícia vem publicada hoje na revista Focus da Alemanha, muito conhecida por ter "boas fontes" nos serviços secretos germânicos. 

A polícia de Manchester está a investigar uma "rede" terrorista e este novo dado é importante para encaixar as peças do puzzle e prevenir novos atentados.

O pai do jovem bombista defende que o filho está inocente. O progenitor e o irmão de Salman Abedi acabaram detidos pelas autoridades, na Líbia.

No Reino Unido, foram detidos até ontem sete suspeitos, sendo que hoje de manhã foram detidos mais dois homens na região de Manchester, “em conexão” com o atentado. Uma mulher que foi interrogada ontem acabou libertada sem acusação.

As novas detenções elevam para oito o número de homens atualmente sob custódia, no âmbito da investigação, precisou a polícia.

O atacante

De acordo com a imprensa britânica, Salman Abedi terá nascido em Manchester, em 1994, filho de pais líbios fugidos ao regime de Muammar Kadhafi que se refugiaram no Reino Unido, primeiro em Londres e depois no bairro residencial periférico de Fallowfield, no sul de Manchester, nos últimos dez anos. Era o segundo mais novo de quatro irmãos.

Nascido numa família muçulmana, o suspeito era várias vezes visto numa mesquita dos subúrbios de Manchester, onde o pai Ramadan fazia algumas orações e o irmão Ismael era voluntário.

Segundo o Financial Times, Salman foi atraído pelo islamismo radical nos últimos anos. Era conhecido das autoridades britânicas, mas nunca tinha estado relacionado com nenhuma investigação, nem era considerado um risco.