Candice Hedge é uma das duas pessoas de nacionalidade australiana que ficaram feridas nos ataques terroristas de sábado à noite, na Ponte de Londres e no Mercado de Burough, na capital do Reino Unido. Os ataques provocaram sete mortos e 48 feridos

O Brisbane Courier Mail adianta que Candice Hedge, de 31 anos, natural da cidade australiana de Brisbane, estava a beber um copo com o namorado no bar do restaurante Elliot, onde trabalha. Candice já tinha acabado o seu turno quando um atacante a agarrou por trás e tentou degolá-la. 

Candice Hedge, que se mudou há seis meses para Londres, acabou por ter alguma “sorte” e estará fora de perigo: conseguiu sobreviver porque a faca não lhe atingiu artérias vitais nem a traqueia, o que facilita a recuperação.

O The Sydney Morning Herald escreve que a vítima foi submetida a uma cirurgia de emergência no Hospital St Thomas, em Londres. Candice esteve em coma durante um breve período, mas agora está acordada, já ligou aos amigos e familiares em Queensland a dizer que está bem, estando a recuperar depois de levar alguns pontos.

Candice Hedge também já fala com os amigos no Facebook, onde lhes deixou uma mensagem privada:

 Olá a todos, só para que saibam que vou ficar bem. Algumas dores, mas vou ficar bem. Obrigada pelos vossos pensamentos e votos de melhoras".

A mãe de Candice Hedge afirmou ao Brisbane Courier Mail, que a filha está a recuperar: “Ela vai ficar bem, graças a Deus”.

Leia também: Testemunhas relatam pânico em Londres: "Ela tinha a garganta cortada"

Kim del Toro diz ainda que o namorado da filha lhe contou ter “percebido que havia agitação na frente [do restaurante] e saiu para ver o que estava a acontecer”.

Kim del Toro acrescenta que Luke “viu alguns homens com facas a vir na direção deles e correu para dentro para ver onde Candice estava”.

A mulher continua a explicar que o namorado da filha “não conseguiu encontrar [Candice] e que a polícia gritou para toda a gente se baixar, antes que Luke a visse [Candice] a correr para ele com as mãos no pescoço a sangrar”.

A mulher conta também que a filha conseguiu fazer uma vídeochamada via Skipe, este domingo de manhã: “Ela não podia falar, mas eu consegui vê-la a fazer-me sinal de OK com o polegar, então eu soube que ela estava bem".

Ao mesmo jornal o avô de Candice, Brian Hedge afirmou: “Ela estava na zona do mercado [de Burough] e, aparentemente, estava escondida quando um deles a viu e a esfaqueou no pescoço".