A aurora boreal pode ser descrita como o maior espetáculo de luzes do planeta Terra. Este fenómeno, que é exclusivo das latitudes mais altas, manteve os cientistas maravilhados durante séculos. 

Contudo, o mistério em torno da sua origem muito foi especulado, mas nunca tinha sido provado. Até agora.

Um grupo de físicos da Universidade do Estado de Iowa, nos Estados Unidos, finalmente provou que "as auroras mais brilhantes são produzidas por poderosas ondas eletromagnéticas durante tempestades geomagnéticas".

O estudo agora publicado mostra que estes fenómenos, também chamados de ondas de Alfvén, aceleram os elétrons em direção à Terra, fazendo com que as partículas produzam o espetáculo de luzes a que chamamos de aurora boreal. 

"É semelhante a um surfista apanhar uma onda e ser continuamente acelerado, conforme se vai movendo ao longo da onda", explicou à CNN Greg Howes, professor associado do Departamento de Física e Astronomia da Universidade de Iowa e co-autor do estudo.

Esta ideia de elétrons a "surfar" no campo elétrico é uma teoria que foi proposta pela primeira vez em 1946 por um físico russo, Lev Landau, e foi chamada de amortecimento de Landau. 

Agora que a teoria de criação das auroras foi provada, ainda há um longo caminho pela frente para prever a força de cada tempestade. 

"Prever a força de uma tempestade geomagnética específica, baseada em observações do Sol e medidas feitas em naves entre a Terra e o Sol, continua um desafio sem resolver", disse Greg Howes.

Rafaela Laja