Novos objetos escondidos por prisioneiros foram descobertos no antigo campo de concentração de Auschwitz, na Polónia, durante trabalhos de restauro dirigidos pela Áustria.

A 21 de abril, foram encontradas “colheres, facas, garfos, partes de sapatos” escondidas numa conduta de chaminé do bloco 17, precisou hoje à agência France-Presse a secretária-geral do Fundo Nacional austríaco para as Vítimas do Nazismo, Hannah Lessing.

Estes utensílios, mantidos longe da vista da (organização paramilitar) SS, talvez tivessem sido usados por sapateiros, para preparar uma evasão ou simplesmente para comer”, explicou Lessing.

A responsável indicou ter confiado os objetos ao polo de conservação do museu de Auschwitz, para que possam servir de ilustração da vida no campo, com vastas zonas ainda desconhecidas.

Nas últimas décadas foram descobertos inúmeros objetos no local.

A Áustria está a realizar obras de restauro naquela caserna em tijolo com dois andares, que tem no piso térreo a sua exposição permanente e cuja remodelação deve ficar concluída em 2021.

O antigo campo alemão de concentração e exterminação de Auschwitz-Birkenau, criado para aplicar a política da “solução final”, visando o extermínio dos judeus europeus, foi classificado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) em 1979.

Além do museu existente desde 1947, o campo conta com exposições de diferentes países envolvidos na Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

/ publicado por Rafaela Laja