Um imigrante na Austrália distribuiu 10.000 dólares australianos (5.500 euros) pelas pessoas que encontrou na fila da segurança social, em Melbourne.

Peter Darmos, de 62 anos, entregou 100 dólares em dinheiro, cerca de 55 euros, a cada desempregado que se encontrava à porta da Centrelink, depois de perderem os seus empregos devido à pandemia de Covid-19.

O imigrante grego disse que ficou "maldisposto" quando se apercebeu da quantidade de pessoas que ali se encontrava.

São todos inocentes, sem possibilidades de comprarem pão para as suas famílias. As prestações sociais só devem chegar para a semana e eles têm de por comida na mesa esta noite", contou Peter Darmos, nesta sexta-feira, à rádio australiana 3AW. 

O samaritano, que imigrou para a Austrália ainda criança, esteve uma hora na fila do banco para poder levantar a quantia máxima permitida, 10.000 dólares australianos.

A gratidão das pessoas foi inacreditável. Tive de fazê-lo, porque estas pessoas não podem esperar por amanhã. Não consigo suportar que os meus filhos estejam bem e outros passem fome. Isto é uma tragédia."

Peter Damos apela a outros empresários bem sucedidos que ajudem os trabalhadores que perderam o seu sustento devido às medidas restritivas de combate ao novo coronavírus.

Este país tem sido bom para mim e o meu coração está com estas pessoas, que estão em sofrimento", reconheceu.

Milhares de australianos estão na iminência de perder os seus empregos devido à pandemia de Covid-19, com muitas empresas a fechar portas.

Os economistas acreditam que haverá cerca de 800.000 desempregados até ao final de junho.

Segundo o último balanço das autoridades de saúde do país, o surto de coronavírus fez 13 mortos e mais de 3.000 infetados.

A Covid-19 já fez mais de meio milhão de infetados e quase 23 mil mortes em todo o mundo.

 

/ CM