Um homem mostrou às autoridades australianas onde estão os ossos da esposa desaparecida em 1973. Durante 45 anos, montou a história de que a mulher teria abandonado a casa, o marido e as filhas menores. Agora, levou a polícia até ao corpo que está enterrado à entrada da casa onde a família morava na altura.

Poderá ter chegado ao fim o mistério do desaparecimento de Colleen Adams. O momento em que Geoffrey Adams, agora com 70 anos, aponta para o chão mostrando onde está o corpo pode fechar o caso.

O australiano foi detido na quarta-feira em Wallaroo, onde vive atualmente, e levado até à casa que partilhava com Colleen. Aí, desfez as dúvidas e apontou para o chão, para o lugar onde a terá enterrado.

Adams foi então levado para a esquadra de Kadina onde foi acusado do homicídio da mulher.

As autoridades vão agora proceder à abertura do solo para encontrar os restos mortais de Colleen numa investigação que só recentemente, mais de quatro décadas depois, mereceu pesquisa forense.

“Espero que ela esteja bem”

Desde o desaparecimento, nos anos 70, até à passada quarta-feira, Adams manteve a mesma história quando questionado sobre o caso.

Durante todos estes anos contou que a mulher, antes de desaparecer num carro com uma mulher de meia-idade, fez duas malas e lhe disse que nunca mais queria voltar a vê-lo nem às duas filhas, uma de 18 meses e outra de três anos.

Menos de um dia antes de confessar perante as autoridades onde estava o corpo, contou a história em entrevista a um canal de televisão.

Espero que ela esteja bem e a aproveitar a vida”, disse Adams em direto para a estação australiana.