Uma imagem do Google Maps está a ser apontada como a chave para o mistério em torno do desaparecimento do avião da Malaysia Airlines, o voo MH370.

Em 2014, o Boeing 777 da Malysian Airlines partiu do aeroporto de Kuala Lampur com 239 passageiros a bordo, mas acabou por desaparecer dos radares no golfo da Tailândia. Nunca chegou a Pequim, o aeroporto que tinha marcado como destino final. 

As operações de busca foram encerradas em janeiro de 2017 sem que fossem encontrados corpos.

Os únicos vestígios encontrados foram partes de fuselagem que deram à costa de Madagáscar e Moçambique, mas um especialista em análise de mapas digitais, Ian Wilson, acredita que descobriu os restos do avião na selva do Cambodja. 

A primeira prova apresentada é uma imagem obtida através do Google Maps. O gigante norte-americano atualizou há dias as imagens sobre a selva do país asiático e apareceu um avião "perdido" na região de Pursat.

 

Através de uma pesquisa no Google Maps é fácil encontrar um avião no meio da vegetação. Coincidência ou não, deverá medir entre 60 a 70 metros, segundo a escala do mapa, o que corresponde às medidas do Boeing 777 (61 metros, medidas oficiais). Estas evidências levaram Ian Wilson a preparar uma expedição ao local, que deve arrancar nos próximos dias, como conta numa entrevista ao jornal britânico Daily Star.

Esta teoria, que se junta a dezenas apresentadas anteriormente, foi refutada por peritos da aviação que continuam a defender que o avião caiu sobre o Oceano Índico depois de ter alterado a rota. Uma das justificações apresentadas é a de que o avião corresponde a uma aeronave que estaria a voar a uma altitude demasiado baixa e foi apanhada pela imagem de satélite. 

Para já, é certo que Ian Wilson e o irmão vão deslocar-se ao local para perceber se o avião está na localização apresentada pelo Google Maps.