Pelo menos 31 pessoas morreram esta quarta-feira em Taiwan na sequência da queda de um avião da TransAsia Airways e outras 15 ficaram feridas, nove em estado grave. Há ainda 12 desaparecidos, presumivelmente presos na fuselagem do aparelho,  de acordo com a última atualização do jornal «South China Morning Post».

O avião, em que viajavam 58 pessoas, incluindo cinco membros da tripulação, atingiu uma ponte antes de cair num rio Keelung, em Taipei. Segundo o comissário Wu Chun-hong do Departamento de Bombeiros de Taipei, citado pelo jornal «Straits Times», as equipas de resgate estão a ter dificuldades a chegar aos passageiros que estão presos dentro do avião.

Até agora, foi confirmada a morte de 31 pessoas, 14 morreram no local e algumas das outras vítimas faleceram ainda antes de chegarem ao hospital. No teatro das operações estão cerca de mil operacionais, entre bombeiros, paramédicos e polícias.

Ao perder altitude, a aeronave passou muito perto de vários edifícios acabando por passar sobre um viaduto e uma das asas do avião atingiu um táxi. O motorista e uma passageira sofreram apenas ferimentos ligeiros (leia mais aqui). 


Entre os passageiros estavam duas crianças e 31 turistas chineses de Xiamen.

em Taipé,




o piloto terá pedido socorro e informado que um dos motores tinha perdido a combustão.






(Pode acompanhar aqui em direto as operações de resgate).

 


Durante o dia, as equipas de resgate conseguiram retirar vários sobreviventes da fuselagem do avião. Um dos sobreviventes é uma das crianças que viajava no avião e que terá pouco mais de um ano. Um vídeo captado pelos repórteres no local mostra o momento em que o bebé foi resgatado com vida e aparentemente sem ferimentos. No avião viajava ainda uma outra criança com dois anos, acompanhada pelos pais. Os três sobreviveram ao acidente, mas segundo o pai relata à imprensa em Hong Kong, o menino está a lutar pela vida no hospital. 

A imprensa local dá ainda conta de uma outra história de um dos passageiros do fatídico voo, mas com um final trágico. 
Antes de partir deixou uma mensagem de paz e felicidade aos amigos. 

Uma das repórteres no local, Grace Tsoi , que está a efetuar a cobertura para o The Telegraph, falou com um dos mergulhadores que descreveu as más condições no resgate às vítimas.
 
«Ninguém sabe as condições no interior da fuselagem porque a visibilidade da água é demasiado baixa. Nós não conseguimos ver», disse Chen Chia Hao, um mergulhador de 26 anos. «Para dizer a verdade é muito difícil mergulhar porque é bastante perigoso». 


O diretor executivo da companhia aérea TransAsia já reagiu à tragédia, pedindo desculpas, em conferência de imprensa, a todos os que iam a bordo do aparelho.