Parte dos dados, como conversas no ‘cockpit’, foram recuperados das caixas negras do avião ucraniano abatido em janeiro pelas forças de segurança iranianas, segundo o chefe do Departamento de Aviação Civil do Irão, capitão Touraj Dehghani Zangeneh.

De acordo com as informações deste domingo da agência de notícias AP, estes comentários de Zangeneh, divulgadas pelo portal oficial do Departamento de Aviação Civil do Irão, fazem parte do relatório final que o país irá divulgar sobre o incidente com o avião ucraniano.

Zangeneh referiu que as caixas negras do avião têm apenas 19 segundos de conversação após a primeira explosão, embora o segundo míssil tenha atingido o avião 25 segundos depois do primeiro projétil.

O chefe do Departamento de Aviação Civil do Irão disse que a explosão do primeiro míssil enviou estilhaços para dentro do avião, provavelmente interrompendo a atividade dos gravadores do avião.

As caixas negras do avião foram enviadas para leitura para Paris em julho. O Irão tem estado em intensas negociações com a Ucrânia, o Canadá e outras nações que tinham passageiros a bordo do avião e que exigiram uma investigação minuciosa ao acidente.

O Irão abateu acidentalmente com dois mísseis um Boeing 737 da Ukraine International Airlines, em 08 de janeiro, que descolou do aeroporto de Teerão, matando todos os 176 passageiros a bordo.

As autoridades iranianas disseram que as forças de segurança confundiram o aparelho com um míssil, na sequência de uma subida da tensão no país devido à morte do general iraniano Qasssim Soleimani, no Iraque, no princípio do ano.

Inicialmente, o Irão disse que o avião caiu devido a problemas técnicos, só reconhecendo que foi abatido por um míssil lançado de terra alguns dias depois.

/ RL