Um avião da Philippine Airlines fez uma aterragem de emergência em Hyderabad, na Índia, depois de uma passageira ter entrado em trabalho de parto, no passado dia 8 de maio. O voo fazia a ligação entre as capitais da Árabia Saudita e Filipinas, Riade e Manila.

Ao chegar ao aeroporto internacional Rajiv Ghandi, a aeronave tinha à espera uma equipa médica para assegurar os cuidados necessários à mãe e recém-nascido. O parto estava já em fase avançada, pelo que a criança - uma menina - acabou por nascer ainda no avião. O cortão umbilical, porém, só foi cortado no hospital, uma vez que os médicos não puderam subir a bordo do avião com equipamento cirúrgico - nomeadamente instrumentos cortantes - por razões de segurança.

A bebé nasceu com 3,2 kg e foi depois levada para a unidade de cuidados intensivos. Mãe e filha recuperaram bem e já estão prontas para regressar a casa, nas Filipinas.

A mulher, de nacionalidade filipina, trabalha na Árabia Saudita e estava grávida de 35 semanas. A maioria das companhias aéreas exige um atestado médico para mulheres que tenham 28 ou mais semanas de gestação. Se a gravidez for considerada de risco, a grávida pode mesmo ser impedida de embarcar.