Pelo menos quatro rockets atingiram este sábado o centro de Bagdade, nomeadamente uma base iraquiana que conta com a presença de tropas da coligação internacional, liderada pelos Estados Unidos da América (EUA), mas sem causar mortos ou danos materiais significativos.

Um porta-voz da coligação disse, no Twitter, que não foi registada nenhuma vítima e que a base foi atingida por "pequenos rockets por volta das 3:24 (hora local)". 

 

Uma investigação ao incidente está em curso", afirmou o Coronel Myles Caggins.

 

Quatro rockets Katiusha atingiram a capital Bagdad. Três deles caíram na Zona Verde [zona protegida militarmente e onde se encontram as embaixadas]", afirmou o Gabinete de Informação de Segurança do Governo do Iraque, de acordo com a agência de notícias EFE.

Segundo a agência de notícias AFP, um rocket caiu nas proximidades da embaixada dos EUA, na Zona Verde.

O quarto caiu numa sede do grupo armado xiita pró-Irão Mobilização Popular (Al-Hashd Al-Sha'abi), no leste da capital, causando danos apenas a um veículo.

O porta-voz da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, o coronel Myles B. Caggins III, confirmou através da sua conta no Twitter que "pequenos rockets " atingiram a base às 03:24, hora local (00:24 em Lisboa).

O porta-voz disse que não há vítimas e que há uma investigação em curso sobre o incidente.

Nos últimos meses, houve vários ataques com rockets contra bases militares iraquianas com a presença de tropas estrangeiras em Bagdad e outras partes do norte do país, mas nenhum grupo assumiu a responsabilidade até agora.

Washington acusa diretamente a milícia armada Kata'ib Hezbollah, que opera sob a proteção da Mobilização Popular.

Na sexta-feira, um número indeterminado de rockets atingiu a base militar K1 em Kirkuk, no norte do Iraque, a mesma base onde em 27 de dezembro um empresário norte-americano morreu durante um ataque que causou uma escalada de tensão no Médio Oriente.

Em resposta, Washington atacou as posições do Kata'ib Hezbollah, causando 25 mortes nas suas fileiras. Posteriormente, centenas de manifestantes invadiram a embaixada dos EUA em Bagdad.

A escalada de tensão viveu o seu momento mais alto em 03 de janeiro, com um ataque norte-americano a Bagdad e no qual o poderoso general iraniano Qassem Soleimani e o número dois da Mobilização Popular, Abu Mahdi al-Mohandes, foram mortos.

/ HCL . atualizada às 10:14