«Muitos homens do Bahrein que abraçaram o terrorismo e o Estado Islâmico provêm de instituições de segurança, que foram as suas primeiras ‘incubadoras ideológicas’», escreveu em setembro na rede social.




Redação / IF