O filho mais novo do presidente dos Estado Unidos da América (EUA), o republicano Donald Trump, foi infetado com o novo coronavírus, avança a Associated Press (AP), que cita a primeira-dama Melania Trump.

Segundo a primeira-dama, Barron Trump, de 14 anos, contraiu o vírus na mesma altura que os pais e, tal como Melania e Donald Trump, já testou negativo.

"Estou feliz que tenhamos passado por isto os três ao mesmo tempo, para que pudéssemos cuidar um do outro e passar um tempo juntos", afirmou.

No último sábado, o médico do chefe de Estado norte-americano, Sean Conley, disse que o presidente Trump já não corria o risco de contagiar terceiros.

"Esta noite [sábado], é com satisfação que anuncio que, além de o presidente preencher todos os critérios para o fim em segurança do isolamento, à luz dos padrões atualmente reconhecidos, também já não corre o risco de transmitir [o vírus] a outras pessoas", afirmou Conley.

O médico de Trump referia-se aos critérios do CDC (Centros de Controle e de Prevenção de Doenças), principal agência federal norte-americana em matéria de saúde pública.

De acordo com o mesmo comunicado de Conley, novos testes mostraram que Trump "já não apresenta o índice de replicação ativa do vírus" e que a carga viral está "a diminuir".

O Presidente já não tem febre e os sintomas melhoraram, acrescentou o médico da Casa Branca, salientando que Trump ia continuar a ser acompanhado no regresso a um ritmo normal de atividade.

Hospitalizado durante três dias, Donald Trump regressou no sábado à campanha eleitoral para as presidenciais de 3 de novembro, com um discurso na Casa Branca, proferido perante várias centenas de apoiantes.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão e oitenta e sete mil mortos e mais de 38,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos (215.914) e também com mais casos de infeção confirmados (mais de 7,8 milhões).

/ AM - notícia atualizada às 22:32