Uma mulher foi detida e acusada no caso do desaparecimento da jovem soldado Vanessa Guilen, numa base no Texas. A suspeita, Cecily Aguilar, uma jovem de 22 anos, está acusada de ajudar a desmembrar e a enterrar o corpo de Guilen, bem como a adulterar evidências para tentar despistar as autoridades.

O principal suspeito do crime era um soldado júnior, Aaron David Robinson, que se suicidou recentemente, depois de ter sido cercado pela polícia.

Guilen, tinha apenas 20 anos, e trabalhava na base militar de Fort Hood, onde foi vista pela última vez, a 22 de abril. Só agora, passados quase dois meses, é que a polícia acredita ter encontrado os restos mortais da jovem militar, perto do rio Leon, no condado de Bell, também no Texas.

Perante a morosidade do caso, a família da soldado Guillen está a acusar o exército americano de ter mentido sobre o seu desaparecimento.

“Eles mentiram-nos todos os dias, foram mais de dois meses", disse Lupe.

Segundo a irmã de Vanessa, os membros do exército americano estavam "sempre a tentar proteger-se uns aos outros. A minha irmã merece respeito. Ela merece ser ouvida, porque se isso aconteceu com minha irmã pode acontecer com qualquer um”, sublinhou.

A indignação da família da Vanessa acontece no mesmo dia em que o principal suspeito da morte da jovem se suicidou no momento em que a polícia tentava prendê-lo. Segundo a advogada da família de Vanessa, o suspeito seria a mesma pessoa que assediou sexualmente a soldado no exército.

No momento do desaparecimento, a família de Vanessa Guillen chegou a fazer um website sobre a jovem, dando pormenores sobre o seu desaparecimento, e revelou que a soldado disse à mãe, poucos dias antes de desaparecer, que estava a sofrer assédio sexual de um sargento. Porém, Vanessa não quis revelar o nome do abusador e disse à mãe que iria resolver o assunto sozinha. 

Lara Ferin