O que parecia ser uma dura sentença para a vida, revelou-se um milagre.

Felicity Edgar, uma menina de três anos, que os médicos pensavam que nunca iria andar, deu os primeiros passos durante a fase de confinamento.

Quando nasceu, em 2017, Felicity teve de ser reanimada por falta de oxigénio, depois de a mãe ter estado demasiado tempo em trabalho de parto, até que lhe tivesse sido feita uma cesariana. A menina ficou com paralisia cerebral, uma condição incurável que afeta os movimentos e a coordenação.

"Os médicos disseram que ela provavelmente não passaria da primeira noite (...), mas ela é uma lutadora e sobreviveu", disse a mãe Amber Lineham, citada pela BBC.

Não só sobreviveu, como começou a andar, contra todas as probabilidades.

"Foi a coisa mais incrível que já vi e um dos melhores momentos para mim (...) Ela fê-lo contra as probabilidades e isso deixa-me muito orgulhosa", disse a mãe.

Lara Ferin