As autoridades da Costa Rica anunciaram que mais dez pessoas morreram devido à ingestão de álcool adulterado com metanol, numa atualização do balanço de sábado quando foram registados 20 mortos.

Das 65 pessoas intoxicadas, 27 homens e três mulheres morreram, disse o Ministério da Saúde da Costa Rica.

As autoridades sanitárias e a polícia estão em alerta desde o início deste mês, quando ocorreram as primeiras mortes causadas por intoxicação com metanol, no bairro de La Carpio, na zona ocidental de São José.

Dezenas de outros casos suspeitos de intoxicação foram registados em diferentes regiões do país, depois de ter sido consumido álcool de cana, conhecido sob o nome de 'guaro'.

O Ministério da Saúde e a polícia inspecionaram mais de 300 estabelecimentos comerciais para obter amostras de 'guaro', que foram posteriormente submetidas a análises laboratoriais.

Mais de 16 mil garrafas da bebida foram apreendidas.

No ano passado, as autoridades da Costa Rica contabilizaram 76 casos de intoxicação por metanol e 29 mortes por ingestão de álcool adulterado e apreenderam mais de 66 mil garrafas de bebidas alcoólicas, com marcas legais, adulteradas ou falsificadas.

O metanol, uma substância tóxica aparentada com o etanol, provoca danos graves em todos os órgãos, nomeadamente problemas cerebrais, com sintomas como dor no peito, náusea, hiperventilação, cegueira e coma.

/ HCL