O Papa Bento XVI denunciou este sábado, durante a homília da Vigília Pascal, a verdadeira «ameaça» para o homem contemporâneo que constitui a «escuridão sobre Deus e os seus valores», noticia a Lusa.

«Se Deus e os seus valores, a diferença entre o bem e o mal, permanecem na escuridão, então todas as outras iluminações, que nos dão um poder tão incrível, não serão só progresso, mas também ameaças que nos colocam em perigo, nós e o mundo», afirmou o pontífice, diante das 10 mil pessoas que assistiram este sábado à noite à Vigília Pascal, na Basílica de São Pedro, no Vaticano.

O Papa acrescentou que «a escuridão é uma verdadeira ameaça para o homem», porque «o impede de ver de onde veio e para onde vai o mundo, para onde vai a própria vida e o que é bom e o que é mau».

Durante a homília, Bento XVI, de 84 anos, salientou a ideia da criação e afirmou que os sete dias (da criação do mundo) são uma imagem que se desenvolve no tempo e que tem como objetivo o sétimo dia, «o dia da libertação de todas as criaturas para Deus e um para o outro».

O pontífice assegurou que a criação está orientada para a unidade entre Deus e o Homem, assinalando que o livro do Génesis, no relato da criação, começa com a criação da luz, enquanto que o sol e a lua são criados apenas ao quarto dia.

Bento XVI assinalou que a luz torna possível a vida, o encontro, a comunicação, o acesso à realidade, a verdade e o conhecimento, possibilitando também a liberdade e o progresso.

O Papa destacou igualmente que, com a ressurreição de Cristo, a vida torna-se mais forte do que a morte, o bem mais forte do que o mal, o amor mais forte do que ódio, a verdade mais forte do que a mentira, assim como a escuridão se dissipa.

«Com a ressurreição de Jesus, a própria luz é criada de uma nova maneira» para iluminar o homem, frisou o chefe da Igreja Católica.

A cerimónia da Vigília Pascal foi transmitida em direto por diversos canais de televisão de todo o mundo.

Durante a cerimónia, Bento XVI deu os sacramentos do baptizado, do crisma e a primeira comunhão a oito fiéis adultos, três homens e cinco mulheres, originários da Alemanha, Itália, Albânia, Estados Unidos, Eslováquia, Camarões e Turquemenistão.

No domingo, Bento XVI irá celebrar, na praça de São Pedro, a missa do Domingo de Ressurreição, seguida da mensagem pascal e da bênção «Urbi et Orbi», em mais de 50 idiomas.