A União Europeia (UE) convocou, esta segunda-feira, o embaixador da Bielorrússia em Bruxelas, após o desvio e aterragem forçada no domingo em Minsk de um voo civil entre Atenas e Vilnius, para deter um opositor ao regime.

A convocatória do embaixador bielorrusso, Aleksandr Mikhnevich, foi decidida a pedido do alto representante para a política externa da UE, Josep Borrell, para “condenar a inadmissível decisão as autoridades bielorrussas”, informou em comunicado o Serviço Europeu de Ação Externa (SEAE).

O secretário-geral deste serviço, Stefano Sannino, transmitiu ao diplomata bielorrusso “a firme condenação das instituições da UE e dos Estados-membros da UE ao ato coercivo pelo qual as autoridades bielorrussas colocaram em perigo a segurança dos passageiros e da tripulação”.

A diplomacia europeia “exigiu a libertação imediata” do opositor Roman Protasevich.

Os líderes dos países da UE deverão abordar, esta segunda-feira, este incidente numa reunião presencial do Conselho Europeu, em Bruxelas, onde serão analisadas “as consequências destas ações, incluindo as possíveis medidas contra os responsáveis”, recordou o SEAE.

Um avião da companhia Ryanair que fazia a ligação entre a Grécia e a Lituânia, dois países da União Europeia, foi intercetado no domingo pela aviação bielorrussa pouco antes de entrar no espaço aéreo lituano e por ordem do Presidente Alexandre Lukashenko, alegando um alerta de bomba que, segundo Minsk, se revelou falso.

Roman Protasevich, 26 anos, antigo chefe de redação do influente media da oposição bielorrusso Nexta e que seguida a bordo do aparelho, foi detido após a chegada do avião a Minsk. Desde novembro que era considerado um “terrorista” pelas autoridades da Bielorrússia.

Os ocidentais e os críticos do regime de Alexandre Lukashenko denunciaram um desvio de avião, com alguns a referirem-se inclusive a “terrorismo de Estado”.

Os países ocidentais e os membros da NATO, incluindo o Governo português, já condenaram o desvio do avião, assim como a detenção de Protasevich, e aludiram à aplicação de sanções e outras medidas contra o Governo bielorrusso.

. / NM