Um prisioneiro bielorrusso detido durante protestos contra Lukashenko, presidente do país, tentou cortar a própria garganta durante uma audiência na terça-feira após ser informado que a sua família e vizinhos seriam processados ​​se ele não se declarasse culpado, afirma a comunicação social, ativistas e uma testemunha.

As imagens da estação RFE / RL mostraram Stepan Latypov, de 41 anos, deitado num banco de madeira atrás das grades na sala do tribunal na capital Minsk, com policiais perto dele e espectadores aos gritos.

Um segundo vídeo mostrou Latypov a ser levado para uma ambulância que o esperava com o que pareciam ser manchas de sangue na camisa. A comunicação social e o grupo de direitos humanos Viasna-96 disseram que ele ainda estava vivo.

O pai de Latypov, Sergei, apareceu como testemunha no tribunal na terça-feira, de acordo com o grupo Viasna-96 e Irina, uma amiga de Latypov.

Latypov dirigiu-se ao pai em tribunal, sublinhando que tinha sido mantido numa cela de tortura por 51 dias, e advertiu a família para se preparar para um destino semelhante. Depois de ter lançado o alerta, esfaqueou-se na garganta com um objeto semelhante a uma caneta, relatou o grupo Viasna-96.

Stepan levantou-se, tirou a máscara e disse: 'Pai, vão perseguir a minha família ​​sob a lei criminal se eu não confessar'", disse Irina à estação de rádio RFE / RL.

Depois disto, Stepan "pegou algo branco nos dentes e começou literalmente a cortar a sua garganta. Todos começaram a gritar. Os polícias não conseguiram imediatamente abrir a cela do réu. Ele caiu inconsciente. Fomos levados para fora do tribunal".

O Ministério da Saúde disse à Reuters que o homem de 41 anos estava em condições estáveis ​​depois de os médicos terem tratado dos seus ferimentos no hospital sob anestesia.

Redação / HCL