O ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, é visado numa operação da Polícia Federal que investiga a exportação ilegal de madeira para os Estados Unidos da América e Europa realizada esta manhã, divulgou a polícia.

Segundo uma nota divulgada hoje pela Polícia Federal, a operação também tem como alvo Eduardo Bim, presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), agência governamental que fiscaliza crimes ambientais entre outras atribuições.

A operação foi autorizada pelo juiz do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

O magistrado determinou a quebra dos sigilos bancário e fiscal de Salles, o afastamento preventivo de Bim do comando do Ibama e o afastamento de outros nove agentes públicos que ocupavam cargos e funções de confiança naquele organismo.

Na mesma nota, a Polícia Federal brasileira explicou que a operação, intitulada 'Akuanduba', tem o objetivo de apurar crimes contra a administração pública (corrupção, advocacia administrativa, prevaricação e, especialmente, facilitação de contrabando) praticados por agentes públicos e empresários do ramo madeireiro.

Segundo a autoridades policial, “as investigações foram iniciadas em janeiro deste ano, a partir de informações obtidas junto de autoridades estrangeiras noticiando possível desvio de conduta de servidores públicos brasileiros no processo de exportação de madeira”.

Cerca de 160 polícias federais cumprem 35 mandados de busca e apreensão, no Distrito Federal e nos estados brasileiros de São Paulo e Pará.

Além de autorizar a operação, Moraes também suspendeu um despacho do Ibama, de 2020, que, segundo a Polícia Federal, permitia a exportação de produtos florestais sem a necessidade de emissão de autorizações

O despacho teria sido elaborado a pedido de empresas com cargas apreendidas no exterior e resultou na regularização de cargas de madeira ilegal.

. / JGR