Pelo menos quatro pessoas morreram e várias pessoas ficaram feridas após a explosão de uma bomba dentro de uma mesquita no oeste de Cabul, no Afeganistão, segundo uma autoridade do Governo afegão.

O porta-voz do Ministério do Interior afegão, Tariq Arian, disse que uma bomba foi colocada dentro da mesquita, mas não adiantou mais pormenores sobre o caso.

A polícia isolou a área e ajudou a transferir os feridos para ambulâncias e hospitais próximos.

Nenhum grupo assumiu responsabilidade até ao momento, mas um ataque a uma mesquita no início deste mês foi reivindicado por uma afiliada do grupo Estado Islâmico (EI).

Entre as vítimas mortais do ataque desta sexta-feira estava o imã Mofleh Frotan, que estava entre os mais importantes líderes religiosos da cidade.

A violência aumentou nas últimas semanas no Afeganistão, com a maioria dos ataques reivindicados pela afiliada do EI, sediada na província de Nangarhar, no leste do Afeganistão.

No início deste mês, um bombista suicida do EI atacou uma mesquita no elegante bairro de Wazir Akbar Khan, em Cabul, matando o líder religioso e ferindo outras oito pessoas.

Os Estados Unidos culparam a afiliada do EI por um terrível ataque no mês passado a uma maternidade na capital que matou 24 pessoas, incluindo duas crianças e várias novas mães. O hospital estava localizado na área de maioria xiita da cidade de Dasht-e-Barchi.

O grupo do EI, que despreza os xiitas como hereges, declarou guerra à minoria xiita do país, mas também atacou mesquitas sunitas.

A mesquita que foi hoje atacada é sunita.

A afiliada do EI também assumiu a responsabilidade por um ataque a um autocarro que transportava jornalistas em Cabul em 30 de maio, matando dois. Também reivindicou um ataque ao funeral de um senhor da guerra leal ao governo no mês passado que matou 35 pessoas.

O enviado para a paz de Washington, Zalmay Khalilzad, esteve na região no início desta semana a tentar ressuscitar um acordo de paz dos Estados Unidos com os talibãs.

O acordo de paz assinado em fevereiro para permitir que as tropas dos EUA e da NATO deixem o Afeganistão inclui um compromisso dos talibãs de combater o terrorismo e de que o Afeganistão não seria usado para atacar os Estados Unidos ou seus aliados.

Washington disse anteriormente que os talibãs têm sido fundamentais - junto com as Forças de Segurança e Defesa Nacional do Afeganistão e de ataques aéreos dos Estados Unidos - na redução da força do EI no leste do Afeganistão.

/ publicado por Rafaela Laja