Um jovem de 21 anos foi acusado do massacre ocorrido na segunda-feira num supermercado em Boulder, Colorado, no qual morreram 10 pessoas, incluindo um polícia, informou a polícia local.

As autoridades identificaram o suspeito do ataque como Ahmad Alissa - de acordo com uma transcrição fonética do seu nome, apresentada numa conferência de imprensa – e informaram que o jovem foi ferido numa perna e está hospitalizado, em situação estável, devendo ser transferido para uma prisão, em breve.

Maris Herold, chefe da polícia de Boulder, disse ainda não conhecer a motivação de Ahmad Alissa para o ataque, que ocorreu na segunda-feira à tarde num supermercado da cidade.

As identidades das vítimas, com idades entre 20 e 65 anos, não foram divulgadas, à exceção do agente abatido, Eric Talley, de 51 anos, "o primeiro a chegar ao supermercado" onde ocorreu o tiroteio, em Boulder, localidade a cerca de 40 quilómetros a noroeste de Denver, no estado do Colorado.

O tiroteio deixou os clientes e trabalhadores do supermercado aterrorizados, procurando um lugar seguro para se abrigarem, enquanto o atirador disparava sucessivos tiros dentro do estabelecimento comercial.

Centenas de polícias de toda a área metropolitana de Denver responderam ao apelo para se dirigirem para o local do crime, tendo-se aproximado lentamente da loja, enquanto alguns agentes escoltavam pessoas do perímetro do ataque.

As autoridades dizem que a investigação ao caso ainda está numa fase inicial, mas os detetives encarregados do processo acreditam que o suspeito foi o único atirador no ataque.

Um agente citado pela agência Associated Press disse que Ahmad Alissa terá usado uma arma semi-automática leve, cuja origem está agora a ser investigada.

Esta é uma tragédia e um pesadelo para Boulder. (…) Prometo às vítimas e à população do estado do Colorado que vamos garantir justiça”, disse Michael Dougherty, procurador do condado.

O ataque de segunda-feira interrompeu um longo período sem massacres nos Estados Unidos, depois de 2020 ter sido considerado o ano com menor número de episódios de assassínios em massa nos últimos oito anos, de acordo com as autoridades norte-americanas.

Ainda assim, este caso fez já ressuscitar de novo o debate sobre o controlo de armas nos EUA, com o congressista democrata Joe Neguse, eleito pelo Colorado, a prometer que “o tempo de inação acabou” e que insistirá em nova legislação para a posse e uso de armas.

/ AG