O cônsul-geral de Portugal no Rio de Janeiro, Luiz Gaspar da Silva, e os seus familiares estão traumatizados após terem sido vítimas de um assalto à residência oficial, mas não sofreram danos físicos, disse este domingo à Lusa o vice-cônsul.

Estão fisicamente bem (…), obviamente bastante traumatizados, como todos estaríamos, mas estão bem. Está tudo bem com a família do cônsul e não há o que reportar, quer com a família do cônsul quer com os funcionários”, disse à Lusa o vice-cônsul no Rio de Janeiro.

João Marco de Deus disse que o assalto ocorreu às 02:00 de sábado (05:00 em Lisboa) e que a família do cônsul e os funcionários foram surpreendidos pelos criminosos.

O vice-cônsul também confirmou que Gaspar da Silva e seus familiares permaneceram por algum tempo como reféns dos assaltantes.

O diplomata confirmou também que os criminosos levaram bens pessoais do cônsul e família e dos funcionários.

Segundo o jornal O Globo, a Polícia Civil do Rio de Janeiro já esteve no Consulado de Portugal para a realização de perícias.

Aos agentes da polícia, testemunhas disseram que os assaltantes estavam armados e não sabiam que ali funcionava o Consulado, acreditando tratar-se apenas de uma mansão.

Segundo o depoimento de uma vizinha, citada pelo O Globo, todos os reféns foram mantidos numa das divisões da residência sob a vigilância de dois dos assaltantes por cerca de 50 minutos, tendo conseguido levar do local objetos de valor.

O Presidente da República falou no sábado à noite com o cônsul-geral português no Rio de Janeiro, segundo uma nota divulgada pela Presidência da República.

O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa inteirou-se da situação ocorrida com o cônsul-geral de Portugal no Rio de Janeiro, Luiz Gaspar da Silva, com quem falou ontem [sábado] à noite", lê-se no comunicado.

/ AG