Jair Bolsonaro continua a gerar polémica devido ao novo coronavírus. Depois de ter caracterizado a Covid-19 como uma “gripezinha”, o presidente do Brasil apelou ao fim do isolamento em casa. O presidente brasileiro apelou para que e “volte à normalidade” e culpou a imprensa por “espalhar o pânico”.

Já esta quarta-feira, o Conselho Nacional de Saúde considerou que as declarações de Jair Bolsonaro “colocam em risco a vida de milhares de pessoas” e que as mesmas são “uma afronta à saúde e à vida da população”.

Os especialistas consideram que a atitude do presidente prejudica o esforço do Sistema Único de Saúde para não entrar em rotura, devido ao cenário de emergência que o país vive.

As declarações de Bolsonaro mereceram críticas de vários institutos médicos brasileiros.

A Sociedade Brasileira de Infecciologia considera que a estas declarações podem transmitir a falsa sensação que estas medidas de isolamento social são inadequadas.

No Brasil há várias cidades, como São Paulo (a mais populosa do Brasil), que se encontram em quarentena. Esta decisão não partiu de Brasília, visto que há autonomia dos estados federais para decretar este tipo de medidas.