A confusão instalou-se na Câmara dos Deputados do Brasil, nesta quarta-feira. Após momentos de tensão, dois deputados federais envolveram-se num confronto físico, com Julian Lemos, deputado pelo Partido Social Liberal (PSL), do presidente brasileiro Jair Bolsonaro, a encostar a cabeça em Expedito Netto, do Partido Social Democrático (PSD).

Julian Lemos, que foi um dos coordenadores da campanha presidencial de Bolsonaro, começou por se envolver com Edmilson Rodrigues, do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), quando já vários deputados se juntavam em torno dos dois homens.

Julian Lemos virou depois as atenções para Expedito Netto, chegando a encostar a cabeça ao deputado do PSD. Os ânimos exaltados acabariam por acalmar, depois de vários outros membros da câmara baixa do congresso brasileiro intervirem.

Toda a confusão terá começado com Edmilson Rodrigues a, alegadamente, desrespeitar Geovania de Sá, do Partido Social Democrata Brasileiro (PSDB), que presidia à sessão parlamentar. Julian Lemos foi pedir satisfações e Expedito Netto envolveu-se. Alexandre Frota, também ele deputado federal pelo PSL, já veio reagir, afirmando que Edmilson Rodrigues terá chamado “fraca incompetente” a Geovania de Sá.

Expedito Netto vai denunciar Julian Lemos ao Conselho de Ética, o que poderá resultar na cassação do mandato do deputado do PSL. Alexandre Frota afirma querer saber se Expedito Netto também vai ao Conselho de Ética, no decurso dos insultos proferidos.

Em entrevista ao "OP9", Julian Lemos já reagiu, afirmando que foi puxado e insultado, mas recusa entrar com um processo no Conselho de Ética.

Aquilo é um grande teatro, e se eu fosse agredi-lo, ele não estaria no Conselho de Ética, mas sim no hospital, devido à minha estrutura física”, disse Lemos