Um estudo da Universidade de São Paulo (USP) de Bauru, no interior da cidade, concluiu que as pessoas obesas ou com excesso de peso estão mais propensas a desenvolver uma das formas mais graves da doença, quando infetadas pela covid-19.

À CNN Brasil, a coordenadora do estudo, Sílvia Sales-Peres, disse que a investigação comprova algo que já era citado por especialistas em relação aos efeitos da obesidade.

"Essas pessoas (obesas), por si só, já vão apresentar alguns graus de inflamação crónica, além de terem uma redução na produção de citocinas anti-inflamatórias e um aumento nas citocinas pró-inflamatórias", descreveu a docente.

Um quadro clínico deste tipo pode fazer com que as doenças pulmonares sejam agravadas. "Também apresentam algumas células danificadas, justamente aquelas que são responsáveis pelos anticorpos", acrescentou.

"São vários fatores que podem juntar-se ao mesmo tempo para favorecer, inclusive, o agravamento da covid-19. No caso destes indivíduos, o vírus pode ficar armazenado nessa rede do tecido adiposo, fazendo com que tenha um tempo maior de progressão", completou a investigadora.

Por fim, a docente indicou que as pessoas dentro deste grupo de risco - com excesso de peso ou obesidade - devem redobrar os cuidados com as medidas de distanciamento e o uso de máscara.

"Elas devem praticar um distanciamento social maior, devem sempre usar máscara e, se possível, ficarem em casa", sublinhou.

Lara Ferin