Um gangue de caçadores ilegais, no Brasil, foi desmantelado e o grupo está acusado de caça ilegal e uso ilegal de armas de fogo, podendo incorrer numa pena de prisão e multas. O membro mais antigo, Temístocles Barbosa Freire, um dentista brasileiro, é um dos detidos e terá assassinado mais de 1000 jaguares desde 1987.

A polícia deteve outros seis homens, do mesmo grupo, no estado do Acre, no noroeste do Brasil. Em conjunto, o grupo terá matado milhares de animais de espécies em vias de extinção.

As imagens divulgadas pelas autoridades brasileiras mostram o dentista com um jaguar nas costas e vários cães de caça à sua volta.

De acordo com a imprensa brasileira, a investigação já se arrastava há, pelo menos, três meses. As autoridades vigiaram as conversas do grupo antes de fazer as detenções. Nestes contactos, publicados num documento da Procuradoria da República no Estado do Acre, Temístocles chega mesmo a dizer que para ele a caça é diversão.

O jaguar está classificado como estando próximo da entrar em perigo de extinção pela União Internacional para a Conservação da Natureza.

De acordo com a Wildlife Conservation Society Brasil, os maiores perigos para os jaguares que habitam na Amazónia são a destruição dos ecossistemas em que vivem, as mortes de jaguares que resultam de conflitos com humanos e a caça das presas que servem de alimento a estes animais.