O antigo presidente do Brasil obteve uma permissão para sair da prisão, em Curitiba, para poder estar presente no velório e enterro do neto, Arthur Araújo Lula da Silva, que morreu esta sexta-feira de manhã, aos sete anos, vítima de meningite.

A autorização foi concedida com base na Lei de Execução Penal e permite que Lula da Silva abandone as instalações prisionais para viajar até São Paulo para as cerimónias fúnebres da criança.

Esta lei prevê que seja permitido a reclusos a saída temporária para velórios e enterros de familiares, incluindo descendentes, escreve o jornal brasileiro Folha de São Paulo.

O velório de Arthur Lula da Silva será no cemitério Jardim da Colina, em São Bernardo do Campo, São Paulo. O corpo será cremado este sábado, por volta do meio-dia, hora local.

Avança aquele jornal que Lula da Silva fará a viagem a bordo de uma aeronave da Polícia Federal, mas não há informações acerca da hora de saída da prisão e respetivo voo.

As cerimónias fúnebres serão no mesmo cemitério onde foi cremada a ex-primeira-dama do Brasil, mulher de Lula da Silva, Marisa Letícia, que morreu em fevereiro de 2017.

A criança deu entrada no Hospital Bartira, em Santo André, na manhã desta sexta-feira, com febre alta, onde foi diagnosticado com meningite meningocócica.

Arthur é filho de Marlene Araújo Lula da Silva e Sandro Luís Lula da Silva, filho do ex-presidente.