Sete pessoas, cinco das quais menores, morreram numa escola pública de Suzano, em São Paulo, na sequência de um tiroteio, segundo o último balanço da polícia brasileira.

Os dois atiradores têm 17 e 25 anos, o mais novo é ex-aluno, e suicidaram-se num dos corredores da escola depois de dispararem sobre estudantes e funcionários.

As vítimas mortais são cinco alunos, com idades entre os 15 e os 17 anos, e duas funcionárias, uma delas coordenadora pedagógica. Uma oitava pessoa, um comerciante e familiar do atirador de 17 anos, foi morto momentos antes do tiroteio na escola.

Nove pessoas ficaram feridas e foram transportadas ao hospital. Outras foram assistidas na sequência de ataques de pânico.

A identidade dos atiradores, que chegaram à escola num carro alugado, foi, entretanto, divulgada pelas autoridades: Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos. De acordo com a polícia, Guiherme Monteiro frequentou a escola até ao ano passado, tendo saído após "problemas" que não foram especificados.

Segundo fonte da investigação, Monteiro terá matado o cúmplice, pondo de seguida termo à própria vida. Os dois teriam previsto o suicídio no final do tiroteio. A polícia sabe também que os dois pesquisaram na internet massacres em escolas dos Estados Unidos.

O tiroteio aconteceu por volta das 9:50 (12:50 em Lisboa), segundo relatos de vizinhos à imprensa local, e a polícia chegou ao local oito minutos depois.

No local estão equipas de resgate dos Corpo de Bombeiros e dos serviços de emergência, além da Polícia Militar.

O governador do estado de São Paulo, João Dória, foi dos primeiros a confirmar a notícia.

Acabo de receber a triste notícia de que crianças foram cruelmente assassinadas na escola estadual Professor Raul Brasil, em Suzano. Até ao momento temos informações preliminares. Cancelei toda a agenda e estamos a caminho de Suzano para acompanhar o resgate e atendimento aos feridos", afirmou João Dória, numa mensagem na rede Twitter quando se deslocava para o teatro de operações.

O coronel da Polícia Militar Marcelo Salles confirmou que estiveram envolvidos dois atiradores.

Antes de entrar na escola eles atiraram contra o proprietário de uma lava-rápido [de automóveis] aqui na frente. Este senhor [atingido] está sendo submetido a uma cirurgia num hospital. Eles entraram encapuzados na escola e atiraram nos alunos que estavam no pátio e em duas coordenadoras da escola", afirmou o coronel Marcelo Salles.

O oficial acrescentou que depois dos disparos, os dois atiradores suicidaram-se no corredor da escola.

Marcelo Salles também disse que está a ser feita uma busca dentro da Escola Estadual Raul Brasil, porque foram encontrados objetos que podem ser explosivos, além de um revólver 38 e uma besta.

Segundo o Censo Escolar de 2017, a Escola Pública Raul Brasil tem 358 alunos do 6.º ao 9.º ano e 693 estudantes do ensino secundário.

 

Atirador publicou fotos armado antes do crime

Um dos adolescentes do tiroteio publicou várias fotos, armado, pouco antes do massacre.

Os dois autores do crime foram identificados pela Polícia Militar como sendo Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos.

Na sua conta na rede social Facebook, Guilherme Taucci Monteiro publicou esta quarta-feira cerca de 30 fotografias, usando uma máscara de caveira, armado e fazendo sinais ofensivos.