O presidente da mineira brasileira Vale renunciou ao cargo, este sábado, pressionado com as investigações sobre a rutura de uma barragem de resíduos em Brumadinho, que provocou pelo menos 186 mortos e 122 desaparecidos.

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, Fabio Schvartsman e três executivos da Vale, a maior produtora de ferro do mundo, comunicaram o afastamento temporário dos cargos após reunião do conselho de adminstração da empresa, na noite de sábado.

Um dia antes, o Ministério Público Federal, o Ministério Público de Minas Gerais e a Polícia Federal recomendaram o afastamento dos executivos e outros 10 funcionários, enquanto são apuradas as causas e a responsabilidade da rutura da barragem de Brumadinho.

A tragédia ocorreu a 25 de janeiro, quando uma das represas para limpeza de resíduos minerais de uma empresa do grupo Vale em Brumadinho, município mineiro no sudeste do Brasil, sofreu uma rutura e causou um deslizamento de terras que enterrou as instalações da própria empresa e centenas de propriedades rurais.

As autoridades brasileiras contabilizam mais de 300 vítimas, entre mortos e desaparecidos.