A bandeira do Reino Unido foi retirada esta sexta-feira do edifício do Conselho da União Europeia, em antecipação da hora Brexit

Por sua vez, o símbolo oficial da União Europeia, o círculo com 12 estrelas,  foi também removido da embaixada do Reino Unido em Bruxelas, deixando apenas a bandeira do “Britain’s Union Jack” a voar no mastro, no dia que marca o fim de uma Europa a 28.

  

O quarto ‘Brexit Day’ cria também a designação inédita de ex-Estado Membro e lança um dos maiores golpes à tentativa da Europa de forjar a unidade depois das ruínas deixadas pela Segunda Guerra Mundial.

Os presidentes das instituições europeias admitiram esta sexta-feira ter “sentimentos mistos” face ao Brexit, lamentando a saída do Reino Unido, mas garantindo que é com “muita determinação” que a União despertará no sábado a 27 para "um novo capítulo".

Quando o sol nascer amanhã, um novo capítulo para a nossa UE a 27 (Estados-membros) vai começar. E com ele vem uma oportunidade única numa geração para assegurar que a Europa lidera nas transformações ecológica e digital”, declarou a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, numa conferência de imprensa conjunta em Bruxelas com os presidentes do Conselho Europeu, Charles Michel, e do Parlamento Europeu, David Sassoli.

Von der Leyen apontou que no sábado, “quase meio século depois, a adesão do Reino Unido à UE termina” e lembrou que, quando os britânicos aderiram, o projeto europeu contava com seis Estados-membros.

Vários líderes europeus, como Angela Merkel e Emmanuel Macron, descrevem o Brexit - que será formalizado às 23:00 horas - como um momento triste, mas de viragem para a comunidade europeia. 

Naquele que é a mais impactante mudança geopolítica do Reino Unido desde o fim do seu império, os britânicos viram as costas a 47 anos de filiação na União Europeia e vão começar, a partir desta sexta-feira a traçar um caminho novo.

Quando bater as doze badaladas em Bruxelas, a UE vai perder 15% da sua economia, tal como a capital financeira internacional - Londres.

 
Apoiantes do Brexit queimam bandeira da União Europeia em Downing Street (AP)
 

Em Downing Street, a agitação é vísivel, como pôde testemunhar o enviado especial da TVI a Londres, João Marinheiro. Nessa mesma rua foi queimada uma bandeira da União Europeia, momento acompanhado por cânticos de despedida. 

 

Três anos e meio depois de o ‘Brexit' ter sido decidido num referendo por 52% dos eleitores, em junho de 2016, o processo provocou uma crise política devido ao impasse no parlamento, que rejeitou três vezes o acordo negociado pela antiga primeira-ministra Theresa May e forçou o adiamento da saída.

Theresa May acabou por se demitir e foi substituída por Boris Johnson, que só conseguiu ultrapassar o impasse após as eleições legislativas de 12 de dezembro de 2019, as quais venceu com maioria absoluta.

Este é o momento do amanhecer. O momento em que a cortina se levanta e um novo Ato começa”, disse o primeiro-ministro Boris Johnson, um dos líderes da campanha “Leave” durante o referendo de 2016.  

Tem de fazer alguma coisa diferente se viajar para o Reino Unido? O que muda se viver no Reino Unido? O que muda para um britânico que vive em Portugal? A TVI criou um explicador com um conjunto de respostas às perguntas mais frequentes sobre o Brexit.

 

Brexit: Boris Johnson quer "nova era de cooperação” com a UE

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse esta sexta-feira, num discurso para marcar a saída do Reino Unido da União Europeia, querer que este seja "o começo de uma nova era de cooperação" com a UE.

Queremos que este seja o começo de uma nova era de cooperação amistosa entre a UE e um Reino Unido enérgico. Um Reino Unido que é simultaneamente uma grande potência europeia e verdadeiramente global no nosso alcance e ambições", salientou.

Num discurso à nação, gravado antecipadamente, Boris Johnson quais passar a mensagem de que o país tem uma oportunidade única para se desenvolver termos económicos, mas também sociais.

  

Quando olho para o potencial deste país esperando para ser soltado, sei que podemos transformar esta oportunidade num sucesso impressionante. E quaisquer que sejam os solavancos na estrada à frente, eu sei que teremos sucesso", afirmou.

O jornalista João Marinheiro, enviado especial da TVI em Londres, está em Parliament Square a acompanhar as últimas horas do Reino Unido na União Europeia.

Depois de três anos de negociações intensas, o ambiente em Londres é de festa e de antecipação. Várias pessoas celebram o Reino Unido retomar algum tipo de controlo.

 

Em contraste, o enviado especial da TVI a Bruxelas, Pedro Moreira, mostra uma paisagem sóbria na capital Europeia, num dia em que a UE passa a ser representada apenas por 27 Estados.

  
Henrique Magalhães Claudino / Atualizada às 22:19