O parlamento britânico aprovou, nesta quinta-feira, a extensão do artigo 50, que pode resultar num adiamento da saída da União Europeia (UE).  Já a emenda para a realização de um segundo referendo à saída do Reino Unido da União Europeia foi chumbada.

As votações tiveram início às 17 horas e em cima da mesa estão várias opções para adiar o Brexit - quatro emendas e uma moção. O Governo vai tentar uma extensão única do prazo até 30 de junho de modo a permitir a aprovação de legislação que possa suavizar a saída do Reino Unido, uma extensão aprovada para depois de 30 de junho obriga à realização de eleições em maio. 

Na manhã desta, Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, garantia que ia pedir aos 27 autorização para a alargar o prazo de saída do Reino Unido. 

A emenda H previa um adiamento do Brexit até à realização de um segundo referendo, mas foi chumbada pela maioria dos deputados britânicos, com 334 a votarem contra e 85 a favor.

Seguiu-se a emenda I, com o objetivo de conseguir uma maioria até ao debate parlamentar do próximo dia 20, antes da reunião do Conselho Europeu, de modo a forçar o adiamento da discussão do Brexit para uma data posterior ao prazo definido, 29 de março, que foi reprovada por 314 votos contra e 312 a favor.

Faltam, ainda, as emendas E, de Jeremy Corbyn, também no sentido de adiar o Brexit para dar tempo ao parlamento para encontrar "uma abordagem diferente"; e a emenda J, que pretende impedir a realização de uma terceira votação sobre o acordo alcançado por Theresa May para o Brexit.