A primeira-ministra britânica identificou, esta quarta-feira, várias questões sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, em que concorda com o líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, com quem se vai encontrar esta tarde.

O propósito do encontro com o líder da oposição, é, de fato, olhar para as áreas com as quais podemos concordar e eu acho que há, na verdade, uma série de áreas com as quais concordamos em relação ao ‘Brexit'".

Na Câmara dos Comuns, durante o debate semanal com os deputados, Theresa May disse que acredita que ambos querem uma saída da UE com um acordo, proteger os empregos, acabar com a livre circulação de pessoas e a necessidade de aprovar um acordo de saída.

"O que queremos fazer agora é encontrar um caminho a seguir que possa garantir o apoio desta Câmara e concretizar o Brexit para efetivar o resultado do referendo [de 2016] e garantir que as pessoas possam continuam a ter confiança em que os seus políticos fazem o que eles lhes pediram para fazer", vincou, aqui citada pela Lusa..

Confrontada várias vezes por deputados eurocéticos sobre as suas críticas a Corbyn e as suas declarações a favor de uma saída sem acordo se a escolha fosse um mau acordo, May defendeu que o Acordo de Saída que negociou com Bruxelas, mas foi chumbado três vezes no parlamento, é bom.

Eu quero concretizar o ‘Brexit', quero concretizar ‘Brexit' de uma forma ordenada e quero fazê-lo o mais cedo possível e sem realizar eleições europeias. Mas para isso temos de aprovar um acordo de saída nesta Câmara".

Corbyn saúda "vontade" de compromisso

Por sua vez, o líder do partido Trabalhista focou as suas perguntas sobre os níveis de pobreza no país e evitou fazer questões sobre o ‘Brexit', comentando apenas que estava "ansioso" pelo encontro.

Saúdo a vontade [da primeira-ministra] de encontrar um compromisso para resolver o impasse do ‘Brexit'".

May e Corbyn vão encontrar-se esta tarde a pedido da primeira-ministra, que anunciou na terça-feira que pretende pedir à UE um novo adiamento da data do ‘Brexit' "o mais curto possível".

Ontem, a primeira-ministra britânica fez uma declaração, recusando um Brexit em acordo e defendendo um novo alargamento do prazo de saída.

May pretende que as negociações com Corbyn resultem num plano que respeite o resultado do referendo de 2016 que ditou a saída do Reino Unido da UE e que possa ser aprovado no parlamento a tempo de considerado pelos líderes europeus na próxima semana.

A UE agendou um Conselho Europeu de emergência para 10 de abril para avaliar a situação de decidir o que fazer a seguir, tendo em conta que, atualmente, a data de saída do Reino Unido da UE é 12 de abril.

O objetivo do governo é acelerar este processo para que a proposta de lei para a saída da UE seja aprovada antes de 22 de maio, evitando assim que o Reino Unido participe das eleições parlamentares europeias de maio.