O presidente da empresa mineira brasileira Vale, Fábio Schvartsman, admitiu esta quinta-feira que houve falhas na barragem em Brumadinho, estado de Minas Gerais, cuja rutura causou, até agora, 166 mortes confirmadas, mas reafirmou a importância da empresa no país.

A Vale reconhece, humildemente, que seja lá o que vinha fazendo, não funcionou, já que uma barragem caiu", disse Schvartsman durante uma audiência na Comissão Externa de Brumadinho criada no Congresso brasileiro para apurar as causas do incidente.

O executivo também negou que a empresa tenha tido qualquer informação de perigo sobre a barragem antes da rutura.

Passadas essas semanas desde o acidente, nós continuamos sem saber os motivos. Todas as informações que nós possuíamos, que nos eram enviadas pelos técnicos da Vale, demostravam que não havia qualquer perigo iminente sobre aquela barragem (...) Não havia nenhuma razão de alarme ou de preocupação maior da gestão da companhia. Se nós tivéssemos tido qualquer sinal relevante nessa direção, teríamos agido em conformidade" alegou.

Schvartsman falou publicamente pela primeira vez sobre o caso e aproveitou para fazer um apelo aos parlamentares brasileiros para evitar que a empresa seja alvo de mais punições.

A Vale é joia brasileira que não pode ser condenada por um acidente que aconteceu numa de suas barragens, por maior que tenha sido a sua tragédia", afirmou.

Embora a empresa negue que soubesse dos riscos no local em que houve o incidente, o Ministério Público de Minas Gerais sustenta que a Vale conhecia o risco de rutura da barragem em Brumadinho desde outubro de 2018.

De acordo com o Ministério Público há "documentos que mostram que, em outubro de 2018", a empresa sabia que dez barragens, de um total de 57, estavam em risco, incluindo a da cidade brasileira de Brumadinho.

A barragem que colapsou em Brumadinho foi construída com base nos próprios resíduos dos minérios, um método tradicional que é menos seguro.

Essa foi também a técnica de construção usada na barragem da empresa Samarco, uma join venture da Vale e da BHP Billion, que ruiu em 2015, na cidade de Mariana, igualmente no estado de Minas Gerais, onde, aliás, se encontra a maior concentração deste tipo de estruturas.

O desastre em Brumadinho ocorreu a 25 de janeiro, quando uma das barragens nas quais a empresa mineira Vale armazenava resíduos rebentou, provocando uma avalanche de lama que soterrou as instalações da própria empresa e centenas de propriedades rurais.