O jovem prefeito de São Paulo, Bruno Covas, morreu neste domingo, aos 41 anos, vítima de cancro, segundo a imprensa brasileira.

Bruno Covas tinha sido internado em estado grave no passado dia 3 de maio para tratamento de um cancro, segundo informou na altura o Hospital Sírio-Libanês.

Diagnosticado com cancro no final de 2019, o prefeito anunciara a 2 de maio que ia fazer um tratamento contra a doença.

Nos últimos meses, a vida deu-me enormes desafios. Tenho procurado enfrentá-los com fé, cabeça erguida e com muita determinação”, escreveu Covas numa nota divulgada na altura pelas redes sociais.

Neto de Mário Covas, ex-governador de São Paulo, Bruno Covas retomou as sessões de quimioterapia em fevereiro passado, foi internado por vários dias devido a um nódulo encontrado no fígado, mas continuou no cargo.

Membro do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), Bruno Covas tornou-se prefeito da cidade de São Paulo em abril de 2018, ao substituir João Doria, que saiu do cargo e foi eleito governador do estado de São Paulo.

Em junho do ano passado, Covas testou positivo à covid-19, doença que superou sem maiores problemas.

Em 2020, Covas foi reeleito prefeito após derrotar o candidato de esquerda Guilherme Boulos, do Partido do Socialismo e Liberdade (PSOL), na segunda volta das autárquicas.

Bruno Covas defendia medidas de isolamento social contra a pandemia, pelo que foi criticado pelo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

A 29 de abril do ano passado, Bolsonaro remeteu a responsabilidade pelo aumento do número de casos e mortes causados pela covid-19 para os governadores e autarcas que decretaram medidas de isolamento social, dizendo: “Essa fatura deve ser enviada aos governadores. Pergunte ao senhor João Doria [governador do estado de São Paulo], ao senhor [Bruno] Covas [prefeito de câmara da cidade de São Paulo] porque eles adotaram medidas restritivas e as pessoas continuam a morrer.”

A notícia da morte de Bruno Covas tem sido comentada e lamentada nas redes sociais por várias personalidades, como os antigos presidentes do Brasil Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer.

Lula recordou no Twitter a “longa e dura batalha contra o cancro” que o autarca travou e Dilma Rousseff usou a mesma rede social para afirmar que “o Brasil perdeu um dos seus promissores líderes políticos”.

“Com Bruno Covas vai embora parte da nossa esperança”, escreveu Michel Temer.

O governador de São Paulo, João Doria, já emitiu uma declaração, na qual sublinha a “dedicação e afeto” que partilhou com Bruno Covas.

Também os clubes de desporto, como o São Paulo, o Corinthians, o Santos, o Palmeiras e o Flamengo têm manifestado o seu pesar.

Advogado de profissão, Bruno Covas entrou para a política aos 26 anos, tornando-se deputado na legislatura de São Paulo.

Foi então secretário do Ambiente do Estado de São Paulo (2011-2015) e depois deputado federal em Brasília, de 2015 a 2017.

Apesar da doença, continuou a ocupar o seu cargo de presidente da câmara da cidade mais populosa do Brasil (12,3 milhões de habitantes) e enfrentou a crise provocada pela pandemia, que matou quase 29.000 pessoas em São Paulo.

. / CM