O chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell, apelou, nesta segunda-feira, às autoridades bielorrussas para que “libertem imediatamente” os opositores políticos e recordou que vai impor sanções “às pessoas responsáveis” pela repressão no país.

A UE espera que as autoridades bielorrussas cuidem da libertação imediata de todas as pessoas detidas por motivos políticos antes e depois das eleições presidenciais falsificadas de 9 de agosto”, afirmou, em comunicado.

Sublinhou que “é claro que as autoridades do Estado da Bielorrússia continuam a intimidar ou a permitir a intimidação dos seus cidadãos (…) e que violam grosseiramente, ao esmo tempo, as suas próprias leis nacionais e as suas obrigações internacionais”.

Citou, em particular, o caso de Maria Kolesnikova, a única figura de topo da oposição que escolheu não se exilar, que, segundo a sua equipa, teria sido “raptada” por desconhecidos hoje de manhã.

Esperamos que as autoridades acabem com as perseguições políticas”, insistiu.

Borrell recordou que a UE vai impor sanções “às pessoas responsáveis da violência, da repressão e da falsificação dos resultados das eleições”.

Uma manifestação no domingo reuniu, pelo quarto fim de semana consecutivo, uma multidão com mais de 100 mil pessoas, apesar da presença maciça de polícias e até de militares na capital.

Fontes oficiais deram conta de detenção de 633 pessoas neste dia.

Alexander Lukashenko, com 66 anos, dos quais 26 à frente da Bielorrússia, continua a rejeitar qualquer diálogo e a procurar o apoio de Moscovo.

A repressão foi particularmente brutal nos dias seguintes à eleição de 9 de agosto. Pelo menos três pessoas foram mortas, dezenas feridas e mais de sete mil detidas nas primeiras manifestações.

/ CM