O carro onde seguia Paul Farthing, o ex-militar britânico que tentava resgatar 200 cães e gatos do Afeganistão, foi alvejado enquanto esperava para entrar no aeroporto de Cabul. 

O antigo fuzileiro vive em Cabul desde 2007, data em que fundou o abrigo Nowzad, para cães e gatos. Depois dos talibãs terem recuperado o poder afegão, Paul afirmou que só deixaria a cidade com os membros do staff (entre eles as três primeiras veterinárias formadas no país) e os 200 animais da sua instituição. 

O governo britânico, que tinha garantido que as pessoas estariam à frente dos animais, assegurou que Pen, os seus funcionários e os animais tivessem luz verde para viajar. Tal só seria possível porque vários apoiantes da causa juntaram donativos para alugar um Airbus 330, com destino a Cabul. 

Esta quinta-feira, o carro onde seguiam Paul Farthing, a equipa e os animais foi atacado. Segundo a imprensa britânica, o veículo estava perto das explosões que decorreram no aeroporto da capital do Afeganistão.

De repente ouvimos tiros e o nosso veículo foi alvejado. Se o nosso motorista não tivesse virado, teria levado um tiro na cabeça de uma AK-47", relatou o ex-militar.

Paul Farthing adiantou, esta sexta-feira, que a viagem acabou por ser cancelada após o presidente Joe Biden ter mudado as regras do aeroporto controlado pelos norte-americanos.

Passámos pelo inferno para chegar lá (ao aeroporto) e fomos levados para o caos daquelas explosões devastadoras", relatou Paul Farthing.

 

Redação / IM