O filho do presidente norte-americano, Donald Trump Jr., está envolto em nova polémica, depois de ter morto uma ovelha argali, uma espécie em vias de extinção, numa viagem de caça no verão passado. A notícia é avançada pela associação de jornalismo investigativo ProPublica. Donald Trump Jr. só  terá conseguido a permissão para matar o animal retroativamente, depois de se ter encontrado com o presidente da Mongólia.

A viagem de caça foi apoiada com uso a recursos do governo norte-americano e do governo mongol, cujas forças de segurança acompanharam o filho mais velho do presidente americano e o seu neto durante a sua estadia. A ovelha argali, conhecida pela grande envergadura dos seus cornos, é considerado um tesouro nacional na Mongólia, e a permissão para matar um destes animais está dependente de um "sistema de permissões opacas que muitos especialistas afirmam ser maioritariamente baseado em dinheiro, conexões e política".

Trump Jr. matou o argali à noite, usando uma espingarda com uma mira laser", afirma um do guias ao ProPublica.

 

Ele ordenou os guias de caça locais a pararem de desmembrar o argali no local, instruindo-os a usar uma folha de alumínio para carregar a carcaça para não danificar a pele e os cornos", conta Khuandyg Akhbas, um dos guias que estiveram presentes. Para além disso, terá morto um veado vermelho, que requer uma permissão semelhante.

De acordo com a investigação, Trump Jr. recebeu um tratamento especial, tendo recebido a autorização para caçar o animal um mês depois de ter regressado aos Estados Unidos da América. Algo que levanta suspeitas de favorecimento, devido ao encontro que existiu entre Khaltmaagiin Battulga, presidente da Mongólia, e o filho do presidente americano.