Um homem de 57 anos foi detido, esta segunda-feira, pela polícia do condado de Yolo, na Califórnia, por ter matado os cinco, todos com menos de seis meses.

De acordo com o comunicado divulgado pela polícia, a detenção, que acontece mais de uma década depois da morte das crianças, só foi possível depois das autoridades terem usado uma nova tecnologia de ADN para identificar o corpo de uma criança encontrada, em março de 2007, num recipiente selado e com "objetos pesados" para que permanecesse no fundo da via navegável a leste da cidade de Woodland.

A criança foi agora identificada como Nikko Lee Perez, filho de Paul Allen Perez, que já tinha sido condenado por crimes sexuais. 

Paul Allen Perez

Segundo as autoridades, Nikko foi encontrado embrulhado num cobertor do Winnie the Pooh e em plástico, colocado dentro de uma geleira de metal que também tinha tijolos e pedaços de metal. 

O comunicado da polícia revela ainda que o menino tinha entre um e três meses - nasceu a 8 de novembro de 1996 - quando morreu e que a causa da morte foi um "trauma" causado pela força.

Com a identificação de Nikko, em outubro de 2019, as autoridades conseguiram descobrir que a criança tinha quatro irmãos que também foram assassinados antes dos seis meses de idade: Kato Allen, nascido em 1992, Mika Alena, nascida em 1995, Nikko Lee, nascido em 1997 e Kato Krow, nascido em 2001.

Os restos mortais de Mika, Nikko Lee e Kato Krow ainda não foram localizados.

As identificações foram feitas pelo Laboratório de ADN do Departamento de Serviços Forenses do Departamento de Justiça Forense da Califórnia, em Richmond, e pelo Serviço Médico Legal do Condado de Yolo.

O suspeito foi detido e acusado por cada morte individualmente.

A investigação, que continua ativa, contou com o apoio de vários departamentos da polícia e também do FBI.

"As alegações tornadas públicas hoje são devastadoras. Não há lugar na nossa sociedade para crimes contra as crianças. No departamento de Justiça da Califórnia fazemos tudo o que está ao nosso alcance para identificar criminosos que pensam que conseguiram escapar à justiça. Estamos gratos pelo trabalho árduo da nossa equipa de ADN e pelos nossos parceiros do condado de Yolo e pelos agentes que lutam todos os dias para manter as nossas comunidades seguras", afirmou o procurador-geral da Califórnia, Xavier Becerra.

/ AM