Brett Corbett, um jovem de 14 anos de Nova Escócia, no Canadá, foi, na semana passada, vítima de abuso por parte dos colegas da escola secundária de Glace Bay. Como mostra o vídeo que se tornou viral nas redes sociais, Brett foi usado como “ponte humana” pelos colegas que queriam passar um riacho nas redondezas da escola.

Eu estava gelado… ninguém tentou ajudar-me”, contou o jovem que sofre de paralisia cerebral, de acordo com a Fox News, sobre o momento em que foi humilhado pelos restantes adolescentes.

Depois de ter recebido muito apoio e alguns pedidos de desculpa, Brett assumiu perdoar os colegas, mas quer que o bullying acabe.

Quando eu voltar à escola é bom que isto tenha mudado”, disse o rapaz. "Não há muitas crianças a sofrer de bullying, mas se há, quero que as pessoas as defendam”, acrescentou.

A mãe de Brett, Terri McEachern, disse ao Washington Post ficar impressionada com o facto de o filho saber perdoar, mas não ficou satisfeita com a forma como o caso ficou resolvido.

As crianças com deficiência têm os dons mais fascinantes do mundo. Não veem maldade em ninguém. Veem o bom em toda a gente”, referiu, antes de assumir que pretende apresentar uma queixa formal pela forma como a escola agiu.

Parece que a escola não está a fazer nada a não ser «não voltem a fazer isso». É isto que eles fazem: dão uma palmada na mão e dizem para não repetirem”, contou a mãe, que considerou que a escola deu um castigo leve aos jovens envolvidos no momento humilhante de Brett.

O agrupamento escolar, Centro Regional de Educação Cape Breton-Victoria, disse, após o acontecimento, que estava a tratar do caso com seriedade.

O comportamento dos alunos envolvidos não é algo de que o centro se orgulhe”, podia ler-se no comunicado. “Tanto a escola como a administração escolar estão a investigar o incidente”.

As autoridades policiais, de acordo com o estabelecimento de ensino, também estão a investigar o caso.

Na sexta-feira, como forma de mostrar apoio a Brett, cerca de 20 alunos saíram das aulas em protesto contra a falta de ação da escola no combate ao bullying. Já esta semana, na terça-feira, 50 pais e alunos, aproximadamente, juntaram-se nas imediações da escola contra os abusos.