Três pessoas morreram esta quinta-feira na sequência da queda, ainda por razões desconhecidas, de um avião C-130 que estava envolvido no combate aos incêndios no estado australiano de Nova Gales do Sul, confirmaram as autoridades.

“Não sabemos ainda o que causou a queda. Simplesmente perdeu contacto com o aparelho”, explicou aos jornalistas Shane Fitzsimmons, responsável do Rural Fire Service (RFS) em Nova Gales do Sul.

Fitzsimmons informou que os três mortos são cidadãos norte-americanos que estavam integrados no componente estatal de combate aos incêndios.

“A fraternidade dos bombeiros é como família, uma família pequena, e os tripulantes eram bem conhecidos, não apenas aqui na Austrália”, frisou.

O responsável do RFS disse que “demorou algum tempo” a localizar os restos do C-130, explicando que a queda causou uma grande bola de fogo que continua ativo.

O aparelho pertencia à empresa Coulson Aviation que nos últimos anos têm prestado serviços de combate aéreo a incêndios em Nova Gales do Sul e que, por precaução, decidiu suspender os voos de todos os seus aparelhos de grande dimensão.

“O serviço está suspenso enquanto é feita uma análise para garantir que não pode haver problemas adicionais noutros aparelhos. Os militares estão a ajudar nessa avaliação”, explicou, admitindo que isso terá impacto nas capacidades de combate aos incêndios no estado.

Com a queda do avião aumentou para 32 o número total de mortos por causa dos incêndios.

As autoridades emitiram já apelos para que empresas e instituições em Camberra reduzam os aparelhos de ar condicionado para reduzir o impacto do fumo.

Foi ainda feito um apelo para que se reduza o consumo de energia até ao início da noite dada a pressão que o “clima extremo” está a ter na rede elétrica.

Vários encontros do Open da Austrália foram já atrasados devido às condições.

Incêndio obriga ao encerramento do aeroporto de Camberra

Um incêndio de grandes proporções obrigou ao encerramento temporário do aeroporto da capital australiana, Camberra, com o aumento das temperaturas a contribuir para novos focos de incêndio em Nova Gales do Sul.

Os serviços de emergência do Território da Capital Australiana (ACT) mantêm o incêndio ao nível de “emergência”, com a situação a ser preocupante na localidade de Beard, onde alguns residentes foram informados de que é demasiado tarde para sair, devido às condições nas estradas.

Os voos do aeroporto de Camberra estão fortemente condicionados pelo muito fumo que se sente na região da capital.

Em Queenbeyan, localidade nos arredores de Camberra, foi já estabelecido um centro temporário de acolhimento, com muitos habitantes a sair de casa e a refugiarem-se na zona.

Em Nova Gales do Sul as autoridades confirmaram que cinco fogos dos 85 ainda ativos no estado, estão no nível de “emergência”, com pelo menos dois grandes fogos, no sudeste, a aproximarem-se e a estarem já praticamente unidos.

Os serviços de bombeiros temem ainda que as condições climatéricas possam levar a reacendimentos e ao agravamento das condições dos fogos.

As condições dos incêndios agravaram-se depois de alguma melhoria provocada por chuvas intensas em vários locais afetados desde o início do ano.

No caso de Camberra, a capital – que ainda não tinha tido incêndios desde o final do ano – sofreu esta semana uma intensa tempestade de granizo que causou milhões de euros de prejuízo, com danos a dezenas de milhares de carros.

Os fogos na Austrália causaram já 29 mortos e destruíram uma área maior do que a de Portugal.