O Presidente norte-americano, Donald Trump, renovou, esta quarta-feira, as críticas ao México, que acusa de não deter as caravanas de migrantes a caminho dos Estados Unidos, a uma semana de eleições legislativas intercalares precedidas por debates sobre a imigração.

As caravanas são compostas por pessoas e combatentes ferozes", escreveu Trump no Twitter. 

Duas caravanas com cerca de 6 000 pessoas procedentes da América Central estão agora no sul do México e dirigem-se para a fronteira norte-americana, onde tencionam pedir asilo.

Na segunda-feira, centenas de elementos desta marcha, que fugiram à miséria e à violência nos respetivos países, atiraram-se ao rio Suchiate, em Tucún Umán, na fronteira da Guatemala com o México, para contornar as barreiras da polícia mexicana.

 

Nós NÃO vamos deixar passar essas caravanas, que são também compostas por bandidos muito maus e membros de gangues. A nossa fronteira é sagrada, eles têm que entrar legalmente. DEEM MEIA-VOLTA!", escreveu Donald Trump.

Dizendo temer uma "invasão" dos Estados Unidos por esses migrantes, Trump anunciou o destacamento de mais de 5 200 soldados para a fronteira com o México, que se juntarão aos cerca de 2 100 membros da Guarda Nacional já mobilizados.

Eles reagiram de forma dura e brutal ao México na fronteira norte, antes de entrarem. Os soldados mexicanos feridos não conseguiram, ou não quiseram, deter a caravana. Devem detê-los antes que cheguem à nossa fronteira, mas não estão a fazê-lo!", criticou o Presidente norte-americano.

Donald Trump colocou a imigração no centro da campanha eleitoral, para voltar a captar o seu eleitorado antes do escrutínio de 6 de novembro.

Na terça-feira, anunciou que quer acabar com o "direito de solo", consagrado na Constituição dos Estados Unidos, para impedir que crianças nascidas no país, filhas de imigrantes ilegais, possam automaticamente ter a nacionalidade norte-americana.

A alteração, por decreto presidencial, desse princípio inscrito na Constituição debater-se-á, contudo, com grandes obstáculos jurídicos, segundo muitos especialistas.