Dez empresas alimentares da União Europeia (UE) enviaram esta quarta-feira uma carta conjunta à Comissão Europeia e aos membros do Parlamento Europeu apelando à eliminação progressiva do uso de gaiolas na pecuária.

Na carta, os grupos ALDI Nord, Barilla Group, Fattoria Roberti, Ferrero, Inter IKEA Group, Jamie Oliver Group, Le Groupement Les Mousquetaires, Mondelēz International, Nestlé e Unilever destacam que a revisão da legislação do bem-estar animal, atualmente em fase de preparação, é a oportunidade ideal para acabar com a utilização de gaiolas na pecuária em toda a UE, começando pelas galinhas poedeiras.

Salientando que “os sistemas sem gaiolas são generalizados, economicamente viáveis e oferecem melhores condições de vida para as galinhas”, os signatários afirmam: “Estamos prontos e dispostos a partilhar a nossa experiência e a colaborar para atingir esse objetivo”.

Citada num comunicado, a presidente da SOS Animal refere que “muitas empresas já estão à frente do movimento, tendo eliminado as gaiolas das suas cadeias de abastecimento”: “Um futuro sem gaiolas é possível e já está a ser aplicado por algumas empresas progressistas”, assegura.

Sandra Duarte Cardoso defende que “a UE tem de atualizar e rever a legislação para os animais de pecuária, especialmente a Diretiva 98/58/CE, de modo a que se acabe com o uso cruel de gaiolas para todas as espécies na pecuária”.

Na carta enviada às instituições europeias são elogiados os objetivos da Iniciativa de Cidadãos Europeus (ICE) ‘End the Cage Age’, promovida em 11 de setembro de 2018 por 170 organizações não governamentais (ONG) europeias e que apela ao fim das jaulas na criação de animais em toda a UE.

Ao longo de um ano, a ICE ‘End the Cage Age’ recolheu 1,4 milhões de assinaturas, assumindo-se como “a primeira ICE bem-sucedida relativamente ao bem-estar animal de pecuária”.

Segundo dados avançados pelos promotores da iniciativa, em toda a UE, anualmente mais de 300 milhões de animais de pecuária são confinados em gaiolas.

/ CE