O procurador de Paris, Rémy Heitz, já garantiu que "nada aponta para um ato voluntário", ou seja, para fogo posto, na catedral de Notre Dame, em Paris. Mas a investigação continua e poderá demorar várias semanas ou mesmo meses, de acordo com o jornal francês Le Figaro.

Três horas depois do incêndio ter sido dado como extinto, as autoridades francesas começaram uma investigação para apurar as causas da "destruição involuntária da catedral pelo fogo". As suspeitas recaem sobre as obras de restauro que estavam em curso no telhado do edifício.

O Departamento de Investigação Criminal de Paris mobilizou cinquenta profissionais, incluindo dois grupos de investigadores especializados em resolver os casos mais sensíveis, para perceber se se tratou de um erro humano ou de uma falha técnica. No terreno, estão ainda a ser usados cães de caça.

De acordo com o Le Figaro, a teoria dos investigadores é que o fogo tenha começado com um "rolo compressor".

Na noite de segunda para terça-feira, as autoridades já ouviram a primeira dúzia de testemunhas, entre as quais trabalhadores da empresa de construção civil que operava no local e membros da equipa da catedral de Notre Dame. Além disso, na terça-feira, houve mais 15 audições.

O objetivo é saber quem, da empresa que foi solicitada para fazer as obras, fez o quê no prédio antes do desastre. Cada audiência pode durar horas, enquanto as testemunhas elaboram uma lista exaustiva das pessoas com quem se cruzaram, evocam possíveis falhas que identificaram e detalham com muita precisão o curso do dia. Caso seja necessário, podem ser ouvidas mais do que uma vez", explicou um agente da polícia, citado pelo Le Figaro.

O CEO da principal empresa responsável pelas obras da catedral, Julian le Bras, garantiu, na terça-feira, que os procedimentos de segurança foram "respeitados" e que, "no momento do incêndio, nenhum dos funcionários da empresa estava no local".

Durante a investigação, vão ainda ser analisados vídeos, captados pelos câmaras de vigilância, do interior e do exterior do edifício. E serão também revistas as imagens captadas por turistas, locais e canais de televisão, para serem tidos em conta todos os ângulos possíveis da catedral.   

O objetivo é localizar o ponto de origem do incêndio, que teve início por volta das 18h50", informaram as autoridades, segundo o Le Figaro. 

 

Para já, as autoridades ainda não conseguem ter acesso a todo o edifício, devido à instabilidade da estrutura. 

Enquanto os arquitetos e os bombeiros não derem sinal verde, não haverá descobertas no local" , referiram os investigadores.

As autoridades planeiam ainda usar drones para conseguirem observar os lugares de mais difícil acesso. 

Isto não tem nada a ver com um incêndio em um apartamento clássico, onde especialistas podem identificar o rastro de um curto-circuito ou resíduos de um produto inflamável", salienta um dos agentes da polícia.

Concurso internacional para restaurar pináculo

O primeiro-ministro francês anunciou, esta quarta-feira, o lançamento de um “concurso internacional de arquitetura para reconstrução do pináculo” da catedral de Notre-Dame de Paris, destruído no incêndio de segunda-feira.

O objetivo é “dotar Notre-Dame de um novo pináculo adaptado às técnicas e desafios da nossa época”, declarou Edouard Philippe, no final de um conselho de ministros dedicado exclusivamente à reconstrução da catedral.

Philippe disse ainda que não existem ainda estimativas do custo total dos trabalhos de reconstrução da catedral.

Veja também: