A missão à Lua da Índia, batizada de Chandrayaan-2, foi cancelada minutos antes do lançamento, na sequência de problemas técnicos.

A Chandrayaan-2, que tem como objetivo explorar o polo sul da Lua, tinha lançamento de uma nave não tripulada previsto para as 02:51 (hora local), desta segunda-feira. No centro espacial Sriharikota, em Chennai, leste da Índia, a contagem decrescente parou cerca de uma hora antes do lançamento, depois de detetados problemas técnicos.

A Indian Space Research Organisation confirmou, nas redes sociais, que o lançamento tinha sido adiado como medida de prevenção devido a um problema técnico e que seria anunciada uma nova data para o início da missão.

A Chandrayaan-2 é a primeira tentativa da Índia de aterrar na superfície lunar, feito conseguido apenas pela Rússia, pelos Estados Unidos da América e pela China. Se for bem sucedida, seria também a primeira missão a aterrar no inexplorado polo sul da Lua, escreve o The Guardian. Com isto, os cientistas esperam recolher informação sobre a composição mineral e química da Lua, com o objetivo último de encontrar água no satélite natural da Terra.

De acordo com a BBC, a bordo da nave espacial estão os equipamentos necessários à exploração da superfície lunar durante, pelo menos, um ano.

Esta missão, que vai custar cerca de 132 milhões de euros, vem numa altura em que há um novo interesse na exploração da lua, assinala a BBC. China e Israel já conduziram missões lunares este ano e o interesse da Índia tem sido fomentado pelo primeiro-ministro Narendra Modi, que quer que o país continue a afirmar-se como uma potência global e espacial. Narendra Modi pretende que a Índia tenha uma missão espacial tripulada já em 2022.

A primeira missão lunar da Índia, a Chandrayaan-1, em 2008, ajudou a confirmar a presença de água na lua, mas não chegou a aterrar na superfície lunar.