Tida como uma filantropa na sociedade chinesa, uma mulher foi condenada a 20 anos de prisão, esta quarta-feira, por adotar 118 crianças. Li Yanxia, o namorado e outras 14 pessoas foram condenadas por vários crimes cometidos nos últimos anos.

O tribunal da cidade de Wu’an, na China, deu como provadas as acusações de extorsão, fraude, falsificação de documentos e distúrbio da ordem social. Li Yanxia, de 54 anos, foi ainda multada em quase 350 mil euros.

[Ela] cometeu, entre outros crimes, uma fraude, para obter benefícios económicos”, esclareceu o tribunal.

Das restantes pessoas envolvidas no esquema, que foram condenadas a penas entre um a quatro anos, a mais elevada foi para Xu Qi, o namorado da suspeita, condenado a 12 anos e meio de prisão.

A mulher, que geria o orfanato "Love Village" ("Vila do Amor", traduzido para português) desde 1996, era muito bem vista na sociedade chinesa e tinha a alcunha de "Mãe de Amor". No auge da sua atividade, em 2017, chegou a ter 118 crianças ao seu cuidado, e tornou-se numa das mulheres mais ricas da região de Hebei.

Li Yanxia foi detida em 2018, mas só agora foi conhecida a pena. Além dos crimes que levaram à condenação, a mulher estava ainda acusada de manipular crianças para trabalhos forçados em empresas de construção. A ideia seria chantagear essas companhias com o alegado trabalho ilegal das crianças.

A polícia esclareceu que as atividades ilegais começaram em 2011. As suspeitas surgiram depois de algumas denúncias de populares, que estranhavam o estilo de vida da mulher, proprietária de vários carros de luxo. O advogado já recorreu da decisão do tribunal, segundo o jornal online chinês The Paper.

No momento da detenção, estavam 74 crianças no orfanato, que foram, posteriormente, levadas pelos serviços sociais chineses para casas de acolhimento.