Várias toneladas de produtos de beleza, como extensões de cabelo e perucas, feitas de cabelo humano foram apreendidas pela Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA (CBP) no Porto de Nova Iorque.

De acordo com a CBP, a carga é originária de Xinjiang, na China, e suspeita-se que esteja ligada a alegados abusos dos direitos humanos, como o trabalho forçado.

As 13 toneladas de produtos apreendidos foram avaliadas em 800 mil dólares.

Xinjiang é uma região rural autónoma no nordeste da China e é o lar de cerca de 11 milhões de uigures, uma minoria étnica muçulmana com uma língua e cultura distintas, que é menosprezada e alvo de discriminação.

“É absolutamente essencial que os importadores americanos garantam que a integridade das suas redes de fornecimento atendem aos padrões humanos e éticos do governo americano, bem como dos seus consumidores neste país”, disse Brenda Smith, do Escritório de Comércio da CBP.

“A fabricação destes produtos constitui uma grave violação de direitos humanos, e a ordem de apreensão é destinada a enviar uma mensagem clara e direta a todas as entidades que estão a tentar fazer negócios com os EUA, de que práticas ilícitas e desumanas não serão toleradas nas redes de fornecimento do país”, acrescentou.

Lara Ferin